Penedo do Lexim

Não há Passado nem Futuro. Tudo acontece no Presente

Já vos aconteceu chegar a um lugar e sentir que não é a primeira vez que ali estão? O Penedo do Lexim foi, para mim, um desses lugares.
À medida que me aproximava, senti-me transportada para milhares de anos atrás, quando a lava jorrava daquele imenso cone vulcânico.
Todavia, tudo à minha volta estava calmo, sereno e belo. Até mesmo as flores nos campos eram velhas amigas.
Estava muito longe e ao mesmo tempo muito perto. A Serra de Sintra encontrava-se ali mesmo ao meu lado.
Mas os vestígios do passado estavam bem presentes. Embora o tractor tenha substituído o arado, teriam os homens que por ali passaram
casas de pedra como as que existem no sopé do Penedo, onde se acolhiam quando voltavam do trabalho nos campos? Quero crer que sim.
Bem perto, a aldeia da Mata Pequena é ponto de paragem obrigatório para  recuperar forças e refrescar. Tudo ali nos transporta para o que
teria sido a vida do dia a dia nestas paragens perdidas no tempo.
Voltei várias vezes a este lugar, em diversas alturas do ano e vou voltar mais porque ele me inspira imensamente.