Olhares

Há muito tempo, quando era adolescente, vivi durante 10 anos num local paradisíaco onde o Kalahari se encontra com o mar, Mossâmedes, a cidade do Namibe. As hienas vinham ao anoitecer beber água de um poço que abastecia a nossa casa. As gazelas visitavam-nos no colégio plantado no meio do deserto. Bastava afastarmo-nos um pouco da cidade pelo deserto em direcção aos oasis para avistarmos toda a espécie de animais desde elefantes, rinocerontes, impalas, tigres, avestruzes em grandes correrias, eu sei lá. Havia até o monte dos macacos de onde os malandros atiravam pedras quando passávamos de jipe. Saía muito com o meu pai nas suas explorações fotográficas e desde muito cedo me habituei a olhar os animais nos olhos, e a perceber o que eles queriam dizer. Agora que já não vivo no deserto, vou amiudamente ao jardim zoológico e a outros parques onde os animais estão em cativeiro, mas os olhares que cruzam o meu são bem diferentes.