Fotografei esta jovem de 95 anos a dançar o samba no Forte de Copacabana. Neste local, porventura a vista mais bonita do Rio de Janeiro, um grupo de músicos junta-se pelo simples prazer de tocar e proporcionar aos idosos um bom tempo de dança. “Não perca tempo a falar da vida dos outros. Isso é veneno. Dançar é que é bom. Venha dançar”, dizia esta mulher, com uma vivacidade contagiante. Lembrei-me hoje dela quando andava às compras na praça. Pelos vários lugares onde parei encontrei sempre pessoas a falar das suas doenças ou do mal dos outros. Almas embrulhadas num manto de tristeza a quem tive grande vontade de dizer: Venham daí, vamos dançar. Sei que esta foto não é daquelas que ganham muitos “gosto”, mas o mais importante é que consiga passar a mensagem. Dizer eu sou assim, nasci assim, vou ser sempre assim é demasiado redutor. Cada um não é como é, mas como quer ser.